Blog do Pr. Afrânio

O PASTOR "BOLA DE FOGO"

A Cruz é bem melhor do que a Fama

E subindo Jesus a Jerusalém, chamou à parte os seus doze discípulos e, no caminho, disse-lhes: Eis que vamos para Jerusalém, e o filho do homem será entregue aos principais dos sacerdotes e escribas, e condena-lo-ão à morte. E o entregarão aos gentios para que dele se escarneçam, e o açoitem, e crucifiquem, e ao terceiro dia ressuscitará. Então se aproximou dele à mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, adorando-o e fazendo-lhe um pedido. E Ele diz-lhe: Que queres? Ela respondeu: dize que estes meus dois filhos se assentem um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu reino” (Mat.20:17a21)
Jesus enfrentava suas últimas horas de vida. Sobre seus ombros pesavam a dor e a angústia que daí a pouco sofreria no Gólgota. Eram instantes de profunda reflexão e intenso silêncio em sua alma. Subia ele para Jerusalém. Caminhava solenemente para o momento maior que o havia trazido ao mundo. Passos dolosos. Derepente se volta, olha para trás, enxerga seus discípulos. Quis compartilhar a sua dor. Pensava que teria a comoção dos seus seguidores. Explica-lhes com detalhes a situação. Conta até mesmo seu triunfo: ressuscitaria. Mas, ao invés da expressão de dor nos rostos, contempla apenas indiferença. Não… aquele momento seria só seu mesmo. Ninguém iria estar com ele. O pastor seria ferido e as ovelhas se dispersariam.
De repente uma mulher se aproxima do Senhor. Ele a reconhece. Era a mãe de dois dos seus discípulos João e Tiago, aliás, dois destacados discípulos que tinham o apreço do Mestre. Ela interrompe a dramática narrativa de Cristo sobre sua paixão, morte e ressurreição e lhe faz um pedido: “…Dize que estes meus dois filhos se assentem um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu Reino”. Era uma mãe preocupada. Tinha ela todas as razões para pedir isso a Jesus, pois como mãe acompanhava a renúncia dos filhos, excelentes profissionais da pesca, para seguir o Mestre, então, nada mais justo do que terem a primazia no futuro reino de Cristo.
O pedido até que foi justo, mas foi feito fora de hora. Não era um momento propício para um pedido como esse, afinal, Jesus estava falando de sua dolorosa morte, enquanto ela e seus filhos já se ocupavam de uma eventual posição no Reino de Deus.
Estavam pouco preocupados com a cruz, com a morte, nem com a ressurreição de Jesus, que sem dúvidas, seriam as molas mestras do cristianismo. Eles não pensavam em Cruz, pensavam em honrosas posições, pensavam nas vantagens que poderiam ter, pensavam nas celebridades que se tornariam com o futuro reino de Israel, capitaneado por Jesus.
Penso neles como penso em muita gente hoje, tem pouca ou nenhuma intimidade com a cruz. Pensam no evangelho como um meio e não como um fim. Pensam num Cristo que lhe traga vantagens, prosperidade, glória, fama e ufania. Esse é o evangelho atual que muitos vivem, e o que mais dói, é que isso vem de gente que deveria entender de cruz e não de fama e celebridade. Gente que está na dianteira, na vanguarda.
Não é à toa que o próprio Senhor Jesus, ao chamar João e Tiago para integrarem o colégio apostólico, lhes deu um nome, que soava como um apelido até: Boanerges, que significa: Filhos do Trovão (Mc3:17). No mínimo, eram barulhentos e queriam sempre a dianteira em tudo. Talvez pensassem que com Jesus se ganhasse no grito. Enganaram-se redondamente.
A maior prova, foi no episódio dos moradores da aldeia samaritana que não receberam a Jesus. O mestre ouviu de João um palpite no mínimo inusitado: “…Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?” (Luc.9:54). Invocaram a Bíblia e sua suposta superioridade no Reino para amaldiçoar pessoas. Mostraram que queriam ser grandes para isso. Para serem intocáveis e viverem acima do bem e do mal.
Sinceramente, estou farto de gente desse tipo. Arrogantes espirituais que se sentem intocáveis. A qualquer infortúnio invocam a Deus para amaldiçoar quem se levante contra “seu ministério”. Para eles, Deus é nada mais nada menos que seu patuá ou amuleto de sorte para defendê-los de opostos. Citam desenfreadamente como se fosse um veredicto final: “não toqueis nos meus ungidos”. Esquecem-se que os ungidos para serem ungidos, tem que no mínimo ter a unção do Espirito de Deus, e não uma massagem ministerial nas suas cabeças. Sei que vou chocar, mas fazer o que. É a realidade atual. Para essa gente, vale o que Jesus respondeu para os filhos do trovão: “…Vós não sabeis de que espirito sois”.
A Busca Pela Celebridade
Só pode mesmo ser os momentos finais que a igreja de Cristo está vivendo. Parece que buscar a fama a qualquer preço não foi só coisa da “Darlene” não. (Uma personagem inescrupulosa de uma novela global que buscava a fama a qualquer preço). Isso é real entre nós.
Posso parecer amargo e pesado, mas é real. Olhe para o púlpito de sua igreja. Veja quantas pessoas passam por lá cantando ou pregando, e depois correm na porta do templo para vender seus CDs e DVDs. É bem verdade que existe gente séria que só quer adorar a Deus e ganhar almas, mas a maioria só quer vantagens que a cruz de Cristo oferece, se esquecendo que Jesus disse que temos que levar nossa cruz também. E levar a cruz exige renúncia, e uma vida de obediência e humildade.
Dias desses recebi um telefonema de um moço se dizendo líder de jovens de sua igreja, me perguntando se tinha agenda para pregar em sua festa. Disse que sim, e a partir daí, fui bombardeado por inúmeras perguntas com respeito a mim e meu ministério. Até ai tudo bem, afinal, quem não é conhecido (ou celebridade), precisa de certas formalidades. Mas o que me doeu, foi uma pergunta que ele me fez: “Pastor, você já pregou alguma vez na festa dos Gideões?” (uma mega festa de missões que acontece no sul do país). Eu disse que não tive esse privilégio ainda. Ele então me disse que seria complicado me indicar para seu pastor, pois não tinha pregado lá. Eu argumentei dizendo que tenho um ministério já de 20 anos, mesmo tendo só 40 anos de idade, dei a ele o telefone do meu pastor, da minha igreja, para qualquer recomendação, mas não teve jeito, eu nunca tinha pregado nos Gideões.
Desliguei o telefone perplexo. Nunca imaginei que um pregador da Palavra fosse medido por ter acrescido em seu currículun uma ministração em determinado lugar. Pensava que o diferencial fosse a unção do Espirito, milagres, conversões de almas, pois isso Deus sempre foi benévolo comigo, mas mudou muito hoje. Fazer o que… Tenho que tocar a vida.
Querido e amado irmão, entenda que o importante para o Senhor Jesus não é a fama ou engrandecimento de nomes humanos. Para Jesus, o que vale é o reconhecimento de seu senhorio que vem pela cruz e o Calvário. O resto se dilui no seu Reino. Não faça como os filhos do trovão, que queriam a primazia no Reino e não queriam ouvir e nem discutir o caminho da cruz que Jesus como bom soldado aceitou. A estrela é Ele. A glória é Dele, somente Dele. O resto é resto.

Ajude a Assembléia de Deus Shalom a Realizar Missões no Piauí deposite qualquer quantia:

Banco: Caixa Econômica Federal

Agência: 0699

Op: 013

Conta Poupança: 00072844-0

* Pastor:Afrânio Medeiros

ASSEMBLÉIA DE DEUS SHALOM (PIRIPIRI – PI)

E-mail:pastor.afranio@yahoo.com.br

“O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei” Jo 15.1

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: